Medicamentos mais frequentemente usados no Tratamento do Transtorno do Humor Bipolar

 

O Tratamento do Transtorno Bipolar pode se constituir em uma combinação de tratamentos Psicofarmacoterápicos (com uso de medicação) e Psicoterapia. Em nossa experiência profissional temos visto serem pobres as respostas de tratamento com a Psicoterapia isoladamente.

 

De modo geral, a literatura científica médica em psiquiatria tem cada vez mais suportado a idéia de que o tratamento do Transtorno Bipolar sem uso de medicação é algo muito difícil, pois os resultados da psicofarmacoterapia (o tratamento com remédios) têm se provado cada vez mais eficazes.

Não são poucas as situações clínicas em que o tratamento do Transtorno Bipolar pode durar vários meses, anos e até mesmo por toda a vida. E importante aqui salientar que o tratamento não deve ser interrompido mesmo que a pessoa se sinta melhor. A suspensão da medicação, a redução de doses e o ajuste das medicações convém sempre ficar à cargo do psiquiatra.

A seguir, apresentarei uma lista dos medicamentos mais utilizados no tratamento do Transtorno do Humor Bipolar. A ordem em que estas medicações são apresentadas não significa nenhuma ordem de preferência sequencial. Caberá a cada médico psiquiatra estabelecer a conduta terapêutica segundo cada caso em particular, pois nem todas as apresentações da Doença Bipolar são uniformes, pelo contrário, há muitas diferentes apresentações deste transtorno psiquiátrico.

-Carbonato de Lítio

O Carbonato de Lítio pode ser consideravelmente efetivo a fim de estabilizar o humor e de prevenir as recaídas para a instabilidade clínica a qual pode migrar quer seja para o pólo maníaco, hipomaníaco ou depressivo. Pode ser eficaz em algumas apresentações clínicas do Transtorno Bipolar. É um medicamento derivado de uma rocha (a Petalita) e não é encontrado naturalmente no corpo humano, daí a inutilidade de se dosar o Lítio no sangue (litemia) para corroborar o diagnóstico da Bipolaridade, pois ninguém possui Lítio em sua corrente sanguínea, a não ser que esteja fazendo uso do Carbonato de Lítio.
Em razão de seus diversos efeitos colaterais, esta medicação vem progressivamente perdendo espaço para medicações mais modernas, mais eficazes e com menos efeitos colaterais.
Efeitos colaterais comumente associados ao Carbonato de Lítio são: tremores, ganho de peso, e problemas relacionados ao trato gastrointestinal (frequentemente dores abdominais e diarréia).
O Lítio também tem o potencial de causar sérios problemas aos rins e à tireóide, razão pela qual é uma medicação que convém ser prescrita sob rigoroso controle médico.
Mesmo assim, não devemos menosprezar o Carbonato de Lítio e nem sempre é necessário retirá-lo, caso a pessoa já o esteja tomando, com eficácia terapêutica e sem problemas (efeitos colaterais).
Lembrando ainda que o Carbonato de Lítio foi, durante vários anos, uma das poucas opções que havia para o Tratamento do Transtorno Bipolar. E muitas pessoas foram beneficiadas por esta medicação.

-Anticonvulsivantes

Carbamazepina (Tegretol®), Oxcarbazepina (Trileptal®, Oleptal®), Lamotrigina (Lamictal®, Lamitor®), Topiramato (Topamax®), Valproato (Depakote®, Depakene®).

-Antipsicóticos Atípicos

Quetiapina (Seroquel®), Olanzapina (Zyprexa®), Risperidona (Risperdal®, Risperidon®), Ziprazidona (Geodon®)

-Antidepressivos

O uso de antidepressivos no tratamento do Transtorno Bipolar deve ser uma decisão cautelosa do Psiquiatra, haja vista que pode haver até mesmo piora em alguns casos. Todavia, podem ser utilizados juntamente com os estabilizadores do humor, não infrequentemente com excelentes resultados. Tudo dependerá da avaliação por parte do Psiquiatra, o qual poderá optar ou não pelo uso de antidepressivos no tratamento do Transtorno Bipolar.

-Benzodiazepínicos

 

Estes medicamentos anti-ansiedade (Ansiolíticos) podem ajudar o paciente a lidar com a ansiedade e melhorar a qualidade do sono. Exemplos incluem Clonazepam (Rivotril®), Lorazepam (Lorax®), Diazepam (Valium®), Clordiazepóxido (Librium) e Alprazolam (Frontal®). Os Benzodiazepínicos são geralmente utilizados para aliviar a ansiedade em curtos períodos de tempo. Porém esta não é uma regra matemática, pois há diversos pacientes bipolares que se beneficiam, e muito, com o uso dos Benzodiazepínicos. Efeitos colaterais podem incluir sonolência, lentificação mental e motora, e problemas com equilíbrio e memória.


 

Dr Eduardo Adnet 

Médico Psiquiatra

Especialista Titulado Pela Associação Médica Brasileira e Associação Brasileira de Psiquiatria.

 

 

Bookmark and Share

Home

 

 

© Copyright Eduardo Adnet - 2010-2012 - Todos os Direitos Reservados